domingo, 19 de setembro de 2010

A Fer

20 primaveras.
- Sem carteira de motorista! Lembra minha mãe...
- E o namorado? Sempre indaga minha avó.
Prefiro pensar por mim mesma o venha a representar 20 primaveras. Mas não deixa de ser engraçado. Quando eu tinha dez, me imaginava uma mega jornalista preparando-se para o casamento, impossível não rir me mim mesma pensando nessas coisas, até porque esses sonhos hoje eu chuto lá pra casa dos quarenta...
Quando tinha uns dezesseis anos passei a pensar a idade em viagens, tipo, quando tiver 20 anos já vou ter conhecido uma boa parte do Brasil e um pouquinho do mundo; tá legal, neste ponto até avancei, mas ainda conheço só um pouquinho de Brasil e nada do mundo, quem sabe lá pra casa dos quarenta...
Tudo isso me lembra como eu não faço planos pro presente, e como meu pai acha isso um absurdo, posso ouvir o "você tem que ter foco, Fernanda" "foco" "foco", não consigo imaginar como teria sido minha vida se eu tivesse tido foco desde os catorze anos, desculpa pai, mas agradeço por não ter tido.
Será que eu vim na caixinha de fósforo como o Cidão já tinha me alertado? Possível, minha estatura seria inclusive uma prova empírica de tal fato. Ou eu caí de alguma cegonha por acaso lá em casa?
Lá em casa, todos tem belos e longos planos a pequeno, médio e longo prazo, mesmo que estes sejam juntar 80 reais pra se tornar membro da torcida organizada do Corinthians, mas são planos, não são?
Não gosto de igreja, de carros e de todas aquelas outras coisas normais que minha família gosta.
Tenho 20 anos e meu patrimônio se resume a um notebook que ainda faltam 3 parcelas para serem pagas, uns 25 livros bem especiais, e um albúm de fotografias dos momentos importantes da minha vida.
Mas no fundo, sou feliz com isso, com minhas vinte primaveras, meus vinte e cinco livros e minha família convencional, mesmo que eu seja um brinde de caixa de fósforos.

2 comentários:

conca001 disse...

acho que os planos para o futuro são os mais complicados. tento até não fazê-los, mas às vezes é inevitável, eles chegam a se tornar apenas ilusões, por isso me seguro; os planos do presente são sempre do futuro, então prefiro seguir o balanço do mar, sem esquecer que tenho meus próprios braços para usar de remo...

beijo, ferrrr20tim

sabe que não sei... disse...

que legal Fernanda :)
gostei muito
beijinhos